28 de fevereiro de 2015

Verdade: a felicidade ou a desgraça?

0 Depoimento(s)
Uma sábia e conhecida estória diz que, certa vez, um sultão sonhou que havia perdido todos os dentes. Logo que despertou, mandou chamar um adivinho para que interpretasse seu sonho.

– Que desgraça, senhor! – exclamou o adivinho. – Cada dente caído representa a perda de um parente de vossa majestade.

– Mas que insolente! – gritou o sultão enfurecido. – Como te atreves a dizer-me semelhante coisa? Fora daqui!

Chamou os guardas e ordenou que lhe dessem cem açoites. Mandou que trouxessem outro adivinho e lhe contou sobre o sonho. Este, após ouvir o sultão com atenção, disse-lhe:

– Excelso senhor! Grande felicidade vos está reservada. O sonho significa que haveis de sobreviver a todos os vossos parentes.

A fisionomia do sultão iluminou-se num sorriso, e ele mandou dar cem moedas de ouro ao segundo adivinho. E, quando este saía do palácio, um dos cortesões lhe disse admirado:

– Não é possível! A interpretação que você fez foi a mesma que o seu colega havia feito. Não entendo porque ao primeiro ele pagou com cem açoites e a você com cem moedas de ouro.

– Lembra-te meu amigo, – respondeu o adivinho – que tudo depende da maneira de dizer.

Um dos grandes desafios da humanidade é aprender a arte de comunicar-se. Da comunicação depende, muitas vezes, a felicidade ou a desgraça, a paz ou a guerra. Que a verdade deve ser dita em qualquer situação, não resta dúvida. Porém, a forma com que ela é comunicada é que tem provocado, em alguns casos, grandes problemas.

A verdade pode ser comparada a uma pedra preciosa. Se a lançarmos no rosto de alguém pode ferir, provocando dor e revolta, mas, se a envolvermos em delicada embalagem, e a oferecermos com ternura, certamente será aceita com felicidade.

Autor Desconhecido

24 de fevereiro de 2015

Os sete mergulhos de Naamã!

0 Depoimento(s)
A “moda” são os sete mergulhos de Naamã? Que história é essa?


Naamã, capitão do exército do rei da Síria, estava leproso quando soube pela pequena escrava israelita que havia um profeta em Israel que poderia curá-lo. Ao chegar à casa de Eliseu ficou à porta. “Então este mandou um mensageiro dizer-lhe: ‘Vai lavar-te sete vezes no Jordão e tua carne te será restituída e ficará limpa!’”

“Naamã, sentindo-se insultado, retirou-se reclamando: ‘Ora, porventura os rios de Abana e Farfar de Damasco não são melhores do que todas as águas de Israel?’”

Após ouvir um sábio conselho, ele foi, mergulhou sete vezes e ficou curado. Cheio de gratidão Naamã voltou e insistiu com Eliseu para que recebesse as muitas e preciosas ofertas que havia trazido, ao que respondeu convicto Eliseu: “Vive o Senhor, em cuja presença estou, que não a aceitarei.”

Mas será que não podia? Pelo menos uma ajudinha “pro café”!

“Quando Naamã já estava a certa distância, Geazi, o servo de Eliseu, o homem de Deus, protestou: ‘O meu senhor poupou este sírio Naamã, negando-se aceitar dele alguma gratificação do muito que trazia! Tão certo como vive o SENHOR, irei atrás dele e receberei dele alguma recompensa!’”

Correu e, alcançando o Naamã, mentiu dizendo que Eliseu precisava de alguns bens para visitantes inesperado recém-chegados a casa de Eliseu. Em casa, Eliseu confrontou o servo mentiroso e ganancioso: “Certamente este não era o momento para receberes prata e roupa, tampouco para cobiçares olivais, vinhas, ovelhas, bois, servos e servas!”

Resultado? Disse Eliseu: “‘Por esse motivo a lepra, a enfermidade que assolava a pele de Naamã, atingirá a tua pessoa e todos os teus descendentes para sempre!’ E assim Geazi saiu da presença de Eliseu já leproso, e seu corpo parecia coberto de neve.”

Essa é a historia de Naamã segundo o livro de 2 Reis no capítulo 5. Qualquer coisa diferente disso, não está na Bíblia.

21 de fevereiro de 2015

Depressão: o assunto é sério!

2 Depoimento(s)
A morte do jovem pastor da PIB de Serrinha-BA, Agnaldo Alonso Ferreira Freitas Junior, deveria servir de alerta para todos nós cristãos.  “O que se comenta aqui é que ele havia retornado do culto com a esposa e, alguns minutos depois, os vizinhos ouviram a mulher dele pedindo socorro. O rapaz que mora ao lado correu, pulou o muro e encontrou o corpo já pendurado”, comentou um policial. Entre os amigos o que se diz é “que Agnaldo se matou porque estaria sofrendo de depressão. A informação não foi confirmada pela família.” (Vigiai) O conhecido ator Robin Williams também foi encontrado enforcado em sua casa na região de San Francisco, nos Estados Unidos. Williams lutava contra o alcoolismo e o recente mal de Parkinson, todavia (em ambos os casos) a depressão não está descartada.

Com muita facilidade nós, os evangélicos, atribuímos a morte do ator às doenças e a “falta de Jesus” na sua vida*. Mas como explicar a morte do pastor Agnaldo?

Texto duro e difícil!? Dura será a vida daquela jovem esposa ao enfrentar os “fariseus” de Serrinha com suas “teologias” cuja letra mata. Difícil será explicar os meninos a morte do pai e ainda encontrar forças para mantê-los nos caminhos do Senhor apesar dos pesares. Minha oração é que essa viúva (e mãe) encontre muitos misericordiosos os quais também “alcançarão misericórdia” da parte de Deus.

A depressão é uma doença silenciosa que vem crescendo em todo o mundo. No meio evangélico a ignorância e o preconceito são seus maiores aliados. Diagnosticada a tempo ela pode ser controlada, mas enquanto ficarmos “demonizando” a doença ou “teologizando” o problema ela vai continuar ceifando vidas de jovens, idosos, pastores** e leigos. Porque a depressão não faz acepção de pessoa, idade, gênero, condição social ou país. Pense nisso com carinho e procure ajuda!

*De acordo com a autópsia, Williams "não tinha drogas ou álcool em seu sistema quando ele morreu". Fonte: abcNEWS

**Pesquisa realizada nos Estados Unidos traçou um panorama dos problemas da atividade pastoral...
70% dos pastores admitem sofrer de depressão e estresse. Fonte: Pastores Feridos

12 de fevereiro de 2015

O que é mais importante, dizer ou agir?

0 Depoimento(s)
1 - Questionado por religiosos sobre a autoridade para ensinar sobre o Reino de Deus, Jesus propõe uma parábola sobre um homem o qual pede aos dois filhos: "Filho, vai trabalhar hoje na vinha". O primeiro disse: "'Não quero ir'. Todavia, mais tarde, arrependido, foi." O segundo "respondeu: 'Sim, senhor!' Mas não foi. Qual dos dois fez a vontade do pai?" Cont ...

2 - Responderam: "O primeiro". Disse Jesus: "Com toda a certeza vos afirmo que os publicanos e as prostitutas estão ingressando antes de vós no Reino de Deus." Quem!? Publicano: cobrador de taxas/impostos). Classe detestada por judeus e outras nações por causa de seu trabalho, sua crueldade, avareza e engano usados para realizar sua tarefa. Cont ...

3 - Uma questão de gênero: de um lado publicanos, do outro prostitutas. Prostituta: mulher praticantes da porneia. Relação sexual ilícita como adultério, fornicação, homossexualidade, lesbianismo, zoofilia, incesto, além de relação entre divorciados). Jesus cita dois grupos detestáveis daquela sociedade. Mas por que logo estes?

4 - Ao afirmar que publicanos/prostitutas entram primeiro no Reino de Deus, Jesus: 1) Não está dizendo que os religiosos não entram; 2) Não está se limitando apenas a estes dois grupos; 3) Não está enaltecendo o comportamento deles; 4) Não está afirmando uma prática errada dos religiosos. Explica Jesus: "João veio para vos mostrar o caminho da justiça, mas vós não acreditastes nele; em compensação, os cobradores de impostos e as meretrizes creram."

5 -  Tanto os publicanos quanto as meretrizes, creram e, certamente, mudaram suas práticas. Mudanças vindas do coração. Por outro lado, as boas práticas dos religiosos não eram sinceras, a ponto de questionarem Jesus sobre quem lhe dera autorização para ensinar tais coisas. Ou seja, viam as mudanças nas pessoas, mas ainda assim faziam críticas a Ele e a João Batista. Agir é melhor que dizer (lembra da parábola?). Mas um agir sincero é prioridade para Deus. Religiosidade? Está em segundo plano, segundo o ensino de Jesus.

1 de fevereiro de 2015

Esaú e Jacó: Coragem ou caráter?

0 Depoimento(s)
Duas histórias em uma: Grávida de gêmeos Rebeca é avisada: "Duas nações há no teu ventre, e dois povos se dividirão das tuas entranhas, e um povo será mais forte do que o outro povo, e o maior servirá ao menor." O que isso queria dizer? Momento importante para entender injustiça deita a Jacó. Não é ele um enganador? É!? Quem disse?

1 - Esaú, o preferido de seu pai, Isaque, não valorizava sua primogenitura. Faminto ele pede um pouco do ensopado que Jacó havia preparado o qual propõe: "Venda-me primeiro o seu direito de filho mais velho". A resposta: "Eis que estou a ponto de morrer; para que me servirá a primogenitura?" Percebeu? Venda e, "para que me servirá?".

2 - Jacó, o preferido de  Rebeca, nasceu agarrado ao calcanhar do irmão, por isso o seu nome (o suplantador). Era também mais caseiro e atento à tradição da família enquanto Esaú era inconsequente: casou-se com Judite e Basemate comprometendo a descendência. "Essas jovens hititas tornaram-se uma grande amargura para Isaque e Rebeca"

3 - Rebeca ouviu a conversa de Isaque com Esaú: Trazer uma caça e fazer um gizado para receber a bênção da descendência. Então, ela disse a Jacó que se antecipasse ao irmão ao que ele retrucou: “Vê: meu irmão Esaú é peludo. E se meu pai me apalpar? Poderá entender que estou tentando enganá-lo, em vez de bênção, atrairei sobre mim maldição."

4 - "Afirmou-lhe sua mãe: 'Que tal maldição recaia sobre mim, meu filho! Tão-somente faze o que te peço: traze os animais para mim!'". Isaque já não enxergava então Rebeca vestiu Jacó com as roupas do irmão, cobriu as mãos e a parte lisa do pescoço com as peles dos cabritos "e, por fim, entregou a Jacó a refeição saborosa e o pão que tinha feito."

5 - Jacó obedeceu, passou-se por Esaú recebendo a bênção de Isaque. Ao descobrir tudo "Esaú gritou com grande amargura 'Abençoa-me de igual modo, meu pai!' e  acrescentou: 'Com razão se chama Jacó: foi a segunda vez que me enganou. Ele tomou(!?) o meu direito de primogenitura e eis que agora tomou (Jacó ou Rebeca?) também minha bênção!'"

6 - Reações: 1) Isaque não repreendeu Jacó pleo que fez; 2) Esaú passou a odiar o irmão e planejou matá-lo; 3) Rebeca ao descobrir o plano avisou a Jacó e 4) Jacó fugiu para casa de seu tio conforme o plano de sua mãe. Lá, casou-se com suas primas dando continuidade a descendência dentro da família. Lembra do desastre de Agar a egípcia?

Conclusão: Esaú era forte e valente, mas também irresponsável, inconsequente e vingativo. Sabendo que as cananitas não eram do agrado de seu o pai "tomou como mulher, além das que já possuía, Maalate, filha de Ismael (o filho de Agar)". Jacó não era forte ou valente, mas era obediente a seus pais e atento aos valores de Deus e da família. Entre a coragem e o caráter parece ser mais fácil tornar alguém corajoso do que mudar a sua índole.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...